• Entre em contato conosco: +55 (11) 4111-1353
Acompanhe-nos!

China Unicom posterga lançamento de aparelhos Android

[caption id="attachment_299" align="alignleft" width="150" caption="Aparelhos Android"]Aparelhos Android[/caption] A operadora móvel chinesa China Unicom anunciou que adiou "indefinidamente" o lançamento de seus primeiros aparelhos com o sistema operacional Android, da Google. Um modelo da Motorola, chamado XT701, e um da Samsung, batizado de GT-i6500U, estavam programados para chegar às lojas esta semana. Oficialmente, a operadora atribuiu o atraso à necessidade de resolver alguns problemas técnicos. Entretanto, correm rumores de que a decisão seria uma retaliação à ameaça da Google de deixar a China. Esse não é o primeiro revés sofrido pela Google no mercado de smartphones chinês. A China Mobile, outra operadora do país, decidiu recentemente inclu

TIM vê operadoras virtuais como uma oportunidade, não uma ameaça

A TIM vê com bons olhos a futura entrada de operadoras virtuais (MVNOs, na sigla em inglês) no mercado brasileiro. Em vez de enxergá-las como uma ameaça, a operadora entende que elas podem representar uma oportunidade de novos negócios. A grande vantagem está na possibilidade de a operadora virtual cobrir nichos de mercado que as grandes operadoras não conseguem atender com a devida atenção, por serem empresas com marketing de massa, explica Rogério Takayanagi, diretor de marketing da TIM. Segundo o executivo, a operadora já está negociando potenciais parcerias nesse sentido. Regulamentação A primeira versão do regulamento para MVNOs está em consulta pública e fica disponível para sugestões da sociedade até meados de março. A Anatel criou duas modalidades de operadora virtual, a credenciada e a autorizada. A primeira seria uma mera representante da operadora tradicional, enquanto a segunda responderia como prestadora de serviço de telecomunicações junto à agênc

Abinee confirma projeção de crescimento de 21% para o setor em 2010

[caption id="attachment_292" align="alignleft" width="117" caption="Crescimento de 21%"]Crescimento de 21%[/caption] Confirmando a expectativa anunciada em dezembro de 2010, a Abinee (Associação Brasileira de Indústria Eltro-eletrônica) projeta um crescimento de 21% para o setor em 2010. Após ter amargado retração de 19% em 2009, a expectativa para o ano novo deverá se confirmar em função do Plano Nacional de Banda Larga, que visa massificar a Internet rápida para todos os pontos do País, até os mais remotos. Estima-se que o plano vai envolver recursos de cerca de R$ 40 bilhões nos próximos 3 anos. Além disso, está na mira da indústria de telecom a possível definição do marco regulatório para a 4ª geração de telefonia móvel e de transmissão de dados sem fio.   Fonte:

Vivendi pede aprovação para fechar capital da GVT

[caption id="attachment_288" align="alignleft" width="150" caption="Vivendi"]Vivendi[/caption] A Vivendi comunicou na última sexta-feira, 8, que irá realizar uma Oferta Pública de Aquisição (OPA) para as ações remanescentes da GVT, que totalizam 13,22% do capital social da companhia. A realização da oferta já era esperada pelo mercado. Quando uma companhia de capital aberto muda de controle, os novos controladores devem fazer uma oferta de compra aos minoritários, o chamado tag along. A Vivendi informou também que pretende cancelar o registro de capital aberto da GVT na Bovespa. A OPA será ao preço de R$ 56 por ação, atualizado pela variação da taxa Selic. A Vivendi espera a aprovação da CVM para lançá-la. A compra da GVT pela Vivendi é alvo de investigação por parte da CVM que quer e

Embratel briga na Anatel para garantir que Oi devolva um dos CSPs

[caption id="attachment_283" align="alignleft" width="150" caption="Briga por CSPs"]Briga por CSPs[/caption] A intenção da Oi de manter dois códigos de seleção de prestadora (CSPs) revelada por este noticiário já é objeto de uma disputa agressiva com pelo menos mais uma operadora: a Embratel. A tele se manifestou contrariamente à estratégia da Oi junto à Anatel e promete brigar para assegurar que a Oi seja obrigada a devolver ou o CSP 14 (pertencente à Brasil Telecom) ou o 31 (pertencente à antiga Oi) dentro do prazo legal estabelecido na anuência prévia, ou seja, 18 meses a partir de dezembro de 2008. A manifestação da Embratel junto à agência, feita em novembro de 2009, se deu porque a Oi já formalizou o pedido de manutenção dos dois CSP. Em julho de 2009 a Oi, segundo o acompanhamento j

Oi quer manter dois códigos de seleção de prestadora

[caption id="attachment_280" align="alignleft" width="150" caption="CSP Oi"]CSP Oi[/caption] A Oi deve formalizar à Anatel na próxima semana uma proposta polêmica: a operadora quer manter dois Códigos de Seleção de Prestadora (CSP). Na região 2, referente à Brasil Telecom, a operadora teria o código 14, da antiga BrT. No restante do país, a operadora manteria o código 31, utilizado pela Oi. A devolução de um dos CSPs foi determinada pela Anatel como condicionante à anuência prévia para a fusão das concessionárias. A proposta da empresa é desfazer a sobreposição (o código 31, por exemplo, é nacional) e ficar com os códigos mais utilizados por seus clientes em cada uma das áreas de concessão. O argumento jurídico da Oi é que a Anatel manteve as duas concessões e as duas regiões do PGO separadas. Por trá

Cobertura de celular já ultrapassa 86% dos municípios brasileiros

[caption id="attachment_275" align="alignleft" width="150" caption="Telefonia celular "]Telefonia celular [/caption] A telefonia celular no Brasil começa 2010 muito próxima de atingir cobertura de 100% dos municípios, aponta o Atlas Brasileiro de Telecomunicações 2010, publicação da TELETIME que consolida informações da Anatel com dados das próprias operadoras. De fato, em 2009 as operadoras móveis fizeram o que nunca haviam feito antes: cresceram nada menos do que 25% em termos de cidades cobertas. Em outubro de 2009, quando os dados desse Atlas foram compilados, as operadoras de celular chegavam a um total de 4.773 municípios, contra 3.824 no mesmo período de 2008. O crescimento se explica, obviamente, pelas obrigações de cobertura que todas as operadoras firmaram com a Anatel ao conquistarem