• Entre em contato conosco: +55 (11) 4111-1353
Acompanhe-nos!

Virgin confirma MVNO no Brasil e diz que vai atuar em nichos

O Virgin Group pretende focar em nichos "bem específicos" em sua atuação como operadora móvel virtual (MVNO) na América Latina, revela com exclusividade a esse noticiário o executivo que comandará a operação, Phil Wallace. Esses nichos serão definidos conjuntamente com as teles parceiras que fornecerem suas redes, informa Wallace. O grupo está em fase de negociação com operadoras locais para escolher qual rede irá alugar. Sem abrir a lista de países da América Latina em que a empresa atuará, o executivo apenas confirmou que o Brasil será um deles. Wallace adiantou que a Virgin não precisará de uma MVNE (Mobile Virtual Network Enabler) para sua operação latino-americana: "confiamos plenamente na nossa capacidade", respondeu. Questionado sobre como se diferenciar em um mercado tão competitivo como o brasileiro, o executivo disse que, além do foco em nichos, a MVNO apostará na qualidade do atendimento ao cliente. A respeito do uso da marca "Virgin", que é pouco conhe

Telefónica lançará e-reader na Espanha

O Kindle, e-reader da Amazon, ganhou mais um rival. Trata-se do "Movistar ebook BQ", primeiro e-reader criado pela espanhola Telefónica, demonstrando que as operadoras de telefonia também podem entrar nesse mercado. O aparelho tem tela de seis polegadas, sem cores, e não emite luz, tal como a maioria dos e-readers. O produto é fabricado para a Telefónica pela empresa espanhola Mundo Reader e usa uma tecnologia de tela chamada "SiPix Glass UltraResistitive". As vendas começarão no dia 14 de junho na Espanha, ao preço de 169 euros. Obviamente o objetivo da Telefónica não é lucrar com a venda do e-reader em si, mas com e-books. Para isso, a companhia está em negociação com editoras espanholas para enriquecer o catálogo da sua loja própria, que começará com cerca de 1 mil livros, a maioria de autores clássicos espanhóis, segundo informações da agência EFE. Uma novidade em relação a outros leitores eletrônicos é que o Movistar ebook BQ terá um player de música, perm

Virgin será MVNO na América Latina

O Virgin Group pretende lançar uma operadora móvel virtual (MVNO) na América Latina dentro de 12 a 15 meses, com investimento de aproximadamente US$ 300 milhões ao longo de cinco anos. O negócio será montado em parceria com a Tribe Mobile, empresa cujos fundadores participaram da criação da FriENDi, uma MVNO que atua no Oriente Médio e no Norte da África. O projeto contará com o apoio de dois investidores institucionais: o ePlanet Ventures, sediado na Califórnia, nos EUA, e o Dolphin International LLC, de Omã. O executivo que comandará a operação na América Latina será Phil Wallace, que trabalhou na BellSouth, empresa que já teve presença no Brasil, tendo sido a controladora da BCP, operadora da capital paulista que mais tarde foi comprada pelo grupo América Móvil (Claro). O Virgin Group tem experiência de longa data no mercado de MVNOs. No momento mantém operações em sete países (Austrália, Canadá, França, Índia, África do Sul, Reino Unido e Estados Unidos), s

CTBC cria plano pré-pago com preço reduzido para acesso à Internet

Seguindo a tendência lançada por outras operadoras móveis brasileiras, agora foi a vez de a CTBC reduzir o preço do acesso à Internet pelo celular. A empresa criou o plano "Rede Jovem", que oferece o serviço por R$ 0,50/dia, seguindo o mesmo modelo comercial lançado pela TIM no ano passado com o "Infinity Web". Na CTBC, porém, para fazer parte do plano é necessário que o cliente recarregue pelo menos R$ 15 por mês. E os clientes antigos que quiserem migrar para o novo plano precisam ainda pagar uma taxa de adesão de R$ 14,90. O tráfego diário é limitado a 20 Mb. Uma vez atingido esse volume, a velocidade é reduzida de 1 Mbps (no caso de celulares 3G) para 64 Kbps. Promocionalmente, o acesso a Internet no "Rede Jovem" será gratuito até o fim deste ano. Além do preço diferenciado para Internet móvel, os clientes que aderirem ao novo plano terão direito a chamadas locais e de longa distância (desde que feitas com o código 12) ilimitadas entre si. O envio de mensagens

SK Telecom instalará 10 mil femtocells na Coréia este ano

A operadora sul-coreana SK Telecom anunciou que pretende instalar 10 mil femtocells este ano. Elas serão postas em locais como cafés e shopping centers, para melhorar a cobertura indoor e desafogar a rede de dados da operadora. As femtocells são versões em miniatura das estações rádio-base tradicionais. Em vez de usarem a rede de transmissão da operadora móvel, se conectam através de banda larga fixa via ADSL, cabo ou fibra. Originalmente seu público alvo era o cliente residencial, mas a falta de um padrão de modelo de negócios inibiu sua popularização até o momento. Agora, a iniciativa da SK Telecom aposta na utilização de femtocells em ambientes públicos com investimento bancado pela operadora. Na análise do site Rethink Wireless (www.rethink-wireless.com), o movimento da tele servirá como um teste para a adoção de uma futura arquitetura de LTE baseada em microcélulas. O fornecedor da SK Telecom é a sul-coreana Contela, cujos produtos foram desenhados com a plat

Regulamentos ainda detalharão metas do PGMU III; confira as principais obrigações

A aprovação pelo conselho diretor da Anatel do Plano Geral de Metas de Universalização que valerá até 2015 para as concessionárias do STFC (PGMU III) nesta quinta, dia 2, foi em linha com as sugestões da área técnica. Segundo o superintendente de universalização da agência, José Gonçalves Neto foi em linha com o que vinha sendo trabalhado pela área técnica da agência em conjunto com o Ministério das Comunicações e empresas. Agora, a Anatel deverá regulamentar uma série de aspectos importantes do PGMU, em um regulamento específico (Regulamento do PGMU), que será editado em 90 dias da publicação do PGMU. Entre os aspectos que constarão nesse regulamento estão, por exemplo, o detalhamento do processo de encontro de contas entre as concessionárias e a Anatel para aferir se as metas estão com saldo positivo ou negativo, bem como as eventuais fontes de financiamento que possam vir a ser estabelecidas. Isso significa que, provavelmente, as concessionárias assinarão os contr