• Entre em contato conosco: +55 (11) 4111-1353
Acompanhe-nos!

Compromissos do 4G poderão ser cumpridos com a faixa de 700 MHz, afirma Paulo Bernardo

O ministro Paulo Bernardo revelou nesta segunda, 6, que o Ministério das Comunicações pretende concluir estudos sobre a faixa de 700 MHz até o final do ano e existe a possibilidade de que a faixa seja licitada já em 2013.

“Talvez eles (a Anatel) consigam antecipar para outubro a conclusão do estudo e nós vamos tomar a decisão. Acho que a partir daí, se for definido que vamos fazer, tenho a impressão que num espaço de nove meses a um ano dá para fazer a licitação”, afirma ele.

O presidente da Anatel, João Rezende, que esteve reunido com Paulo Bernardo para tratar do orçamento da agência, confirmou que existe sim a possibilidade de a licitação sair no ano que vem, a depender da decisão do Minicom. “É possível sim, mas precisamos definir a destinação da faixa e depois ainda tem o edita

TIM entrará na Justiça para continuar vendendo linhas na segunda-feira

A TIM entrará na Justiça para continuar vendendo linhas móveis, após a Anatel decretar a suspensão da habilitação de novos assinantes do serviço. A medida imposta pelo órgão regulador vale a partir de segunda-feira, 23, e deixará a operadora impedida de comercializar seus serviços em 18 Estados mais o Distrito Federal.

Em comunicado, a TIM informou que “vai entrar com um mandado de segurança nesta sexta-feira, dia 20, para não ser forçada a interromper as vendas e ativações de novos chips”. Grosso modo, a empresa pedirá para que seu direito de vender serviços seja preservado até que haja uma decisão final, provavelmente na Justiça.

De acordo com a empresa, a punição aplicada pela Anatel é excessiva e provoca um desequilíbrio na competitividade do mercado. A co

Claro apresenta esboço de plano e Anatel manda reapresentá-lo na segunda-feira, 23

A Anatel exigiu que a Claro detalhe o plano de ação apresentado nesta quinta, 19. De acordo com o superintendente de Serviços Privados, Bruno Ramos, o plano foi um "esboço" e, por isso, foi agendada uma nova reunião com os representantes da companhia na próxima segunda, 23.

"A Claro apresentou um esboço de um plano. Ela fez uma consolidação de diversos planos que eles tinham. É um plano preliminar", disse Ramos na saída da reunião com os executivos da empresa.

O caráter preliminar do plano foi mencionado também pelo presidente da operadora, Carlos Zenteno. "Foi uma prévia que tem toda a informação que é importante eles conhecerem. Eles solicitaram mais detalhamento para indicadores específicos por mês e por Estado e dados de aumento da capacidade de rede", disse Zenteno.

O presidente da C

Para AGU, teles são os maiores devedores da União

A Advocacia Geral da União (AGU) criou um grupo para analisar ações judiciais dos maiores devedores da União. O Grupo de Cobrança de Grandes Devedores das autarquias e fundações públicas federais (GCGD) foi criado para que a AGU adote estratégias jurídicas mais eficazes na cobrança de ações de no mínimo R$ 5 milhões.

O que surpreende nos dados divulgados pela AGU é que dos R$ 28 bilhões que o grupo tentará arrecadar, R$ 20 bilhões referem-se a multas aplicadas pela Anatel. Depois da autarquia das telecomunicações, o órgão que mais deve à União é o Ibama com quase R$ 5 bilhões, seguido do Departamento Nacional de Patrimônio Mineral (DNPM) com pouco mais de R$ 3 bilhões e da Aneel com R$ 339 milhões. A procuradora geral adjunta da Anatel, Fernanda Prestes Bussacos, reconhece a importância da Anatel

GVT prepara aplicativo do Vono, para oferecer VoIP em smartphones

A GVT deve lançar ainda neste mês um aplicativo para smartphones do serviço de VoIP da operadora, o Vono. A empresa, no entanto, ainda não divulga detalhes do programa, mas tudo indica que ele será semelhante aos serviços já oferecidos por Viber e  Skype, por exemplo, que usam a banda larga móvel do cliente para transmitir serviços de voz. Não se sabe, contudo, se a GVT vai oferecer numeração fixa a esse aplicativo, como acontece com o software do Vono para PCs.

Segundo Cristiano Salimen, gerente de marketing de produtos da operadora, com a popularização dos smartphones e uma conexão de banda larga móvel cada vez melhor, a tendência é que o serviço de VoIP ganhe fôlego com uma escapada para a mobilidade. Essa parece ser a tônica da nova aposta da GVT.  “É uma alternativa, porque o cliente pode ter a linha da em

Brasil terá entre 3 e 4 mil antenas 4G em abril de 2013, prevê Nokia Siemens

Em abril de 2013, haverá entre 3 e 4 mil estações radiobase (ERBs) de quarta geração (4G) instaladas no Brasil. Essa é a previsão do diretor de tecnologia para América Latina da Nokia Siemens, Wilson Cardoso. Naquele mês, as operadoras celulares que adquiriram licenças para operar na frequência de 2,5 GHz precisam ter redes 4G cobrindo 50% da área urbana das seis cidades-sede da Copa das Confederações: Brasília, Belo Horizonte, Fortaleza, Rio de Janeiro, Recife e Salvador.

Muitas dessas antenas serão instaladas em locais onde já existem torres 3G e 2G das teles. Nas regiões metropolitanas das grandes cidades do País, boa parte desses sites estão conectados por fibra ótica, com capacidade de 1 Gbps. Neste caso, não será necessário investimento extra em backhaul, já que uma antena 4G que opera em blocos de

Claro gastou menos e levou mais banda do que a Vivo

Colocando na ponta do lápis os totais pagos por cada operadora e a quantidade de banda adquirida por cada uma delas é possível assumir que a Claro foi a que fez o melhor negócio. A operadora do grupo América Móvil conseguiu a licença nacional de 20 MHz + 20 MHz do bloco W pagando R$ 844,519 milhões (ágio de 34,01% sobre o preço mínimo e praticamente a metade do ágio que a Vivo teve de arcar - impulsionadas pelas contra-ofertas da Oi, diga-se de passagem) e de quebra ainda arrematou outros 19 lotes regionais de 10 MHz + 10 MHz dos blocos P por R$ 144,285 milhões. Ou seja, a Claro pagou R$ 21,1 milhões por MHz adquirido na faixa W e R$ 7,2 milhões por MHz na faixa P, que é regional. E mesmo somando os dois valores, o montante ainda é menor que o total gasto pela Vivo apenas para a licença nacional de 20 MHz + 20 MHz no bloco X,  ou seja, R$ 1,050 bilh&atild